terça-feira, 4 de abril de 2017

TRIMURTI, la Corona di Vene + Lilitu


https://abismohumano.bandcamp.com/album/trimurti




TRIMURTI
de "la Corona di Vene"
com "Lilitu"


O EP "TRIMURTI", que reúne a colaboração do projecto italiano la Corona di Vene com a criativa pagã Lilitu, foi primeiramente concebido para a produção de três vídeo-performances que podem ser visualizadas no youtube, mas encontra na editora discográfica da associação de artes Abismo Humano uma atenção aprofundada ao seu lado sonoro, desempenhado com uma mestria ímpar, e conseguindo, utilizando-se quase só de vozes, um ambiente que é, na nossa opinião, mais impactante do que muitos dos famosos lançamentos da Cryo Chamber e outras chancelas voltadas ao público em geral.  O EP é de uma natureza profundamente ritualista, com um tímbre intensamente íntimo e sombrio, em que duas vozes que despiram de si o humano tipicamente social interagem em transe, lembrando os momentos mais marcantes e delirantes que Antonin Artaud emitiu em rádio. O texto é criado por Nera Luce (Lilitu), autora do livro "The Gnostic Voodoo" (expandindo sobre o trabalho do antigo bispo católico Michael Beritaux), e trata-se de uma evocação à consciência primordial em língua bárbara. 

La Corona di Vene já era conhecido pelas suas performances que levam adiante o "teatro da crueldade", por variadas vezes tendo utilizado ganchos de pesca e sangue, fazendo dos performers marionetas do seu inconsciente por via das vísceras da sensação carnal, aumentando a consciência e a vigília de um qualquer lado dormente e adormecido na audiência. A primeira vez que trabalhámos com o líder do projecto Bonniebelle Wlaad foi no nosso festíval Snow Black IV, onde conseguimos a colaboração do músico crossdresser Mary Nymphection e da modelo alternativa Akasha, na Garagem da Graça. Ali, houve necessidade de nos assegurarmos que o teatro não seria demasiado extremo e que o sangue proviria de um talho e não dos interpretes. Mesmo que o nosso público esteja educado a gostar de arte e de arte alternativa, isto se houver arte na verdadeira concepção da palavra, que não seja alternativa, compreendemos que certas susceptibilidades podem roubar o conteúdo de uma obra ao espectador.

Escrevemos no entanto nós próprios esta crítica ao lançamento de nossa autoria, "TRIMURTI", por ninguém mais o ter feito, afirmando as revistas este estilo estar "para além dos limites dos seus críticos". O EP não é especialmente chocante, note-se, mas também não é aquilo que os críticos vulgares apelidam de música, assim como nós somos uma associação de artistas e não queremos nem nunca quisemos ser uma associação de profissionais de coisa alguma, nem de músicos.  Com isto dizemos que, apesar de nada num profissional o impedir de ser artista, antes pelo contrário, nem todo o profissional que trabalha com arte o é, e que a música em particular se fecha num tecnicismo padronizante e sufocante. 

Isto dito, muitas vezes temos publicado material genuinamente artístico que escapa aos nossos bons pesquisadores mais proficientes e atentos, porque os seus olhos estão voltados para determinadas elites ou para o estrangeiro.  Cabe-nos assim a nós e às nossas relações mais estreitas no mundo da música exploratória, como o caso da Korvustronik e do Mocho de Prata, desbravar esse terreno com o público e com os críticos e colegas promotores.  


André Consciência, Associação de Artes Abismo Humano

segunda-feira, 2 de fevereiro de 2015

Acousmatic music adicionada aos estilos da Korvustronik



A música acusmática (acousmatic music) é uma forma de criar música através de gravações de áudio e manipular os sons ao gosto do executante e para isso usam-se vários equipamentos de ajuda como por exemplo aparelhagens, leitores mp3, ferramentas de processamento de sinais e outras tecnologias como DAW's (Digital Audio Workstations). Em muitos casos na música acusmática pode-se ouvir um som sem conhecer a fonte da sua origem, o que torna o processo de audição por vezes enigmático.

quarta-feira, 28 de janeiro de 2015

Monte 6 em preparação para composição do 2º álbum de originais


monte 6

O projecto Monte 6 volta ao activo após alguns meses de pausa para começar a compor aquele que será o 2ª álbum de originais. Segundo palavras de Aeternum X, este é um voltar às raízes, iniciadas com o álbum "Muu" em 2012.

Palavras do mentor do projecto:

"Senti a necessidade de voltarmos a roçar no som original, experimentámos outras sonoridades dentro do projecto, mas aquele que me prende mais é mesmo o som do álbum Muu, algo cru e pouco polido, aquilo que define bem o nosso projecto. Contudo iremos continuar a compor dentro do Dark ambient, como costume, pois faz parte. Tenho também imenso gosto em citar que este é o 1º lançamento de parceria entre 3 editoras, a Korvustronik, Abismo Humano e Folha Eléctrica".

quinta-feira, 1 de janeiro de 2015

Xisto - novo projecto de Ritual ambient xamânico

xisto


O Xisto é um novo projecto que segue as energias da Mãe-Natureza, com influências no Ritual ambient e no obscuro, este duo vai buscar a sua fonte de energia aos rituais xamânicos. Aqui entram também instrumentos tradicionais variados, como diferentes tipos de percussão, o didgeridoo e outros que irão ser incorporados ao longo do tempo.

Existe ainda a componente do Sampling, que reforça assim toda a sonoridade, mesmo esta com base em elementos naturais.

sábado, 29 de março de 2014

Indietronica adicionada aos estilos da Korvustronik



A Indietronica ou simplesmente música electrónica Independente, é um estilo de música que se baseia principalmente no uso de instrumentos electrónicos, tais como teclado electrónico, sintetizador, controladores MIDI, software de som e caixas de ritmo e tem como influência a Electronica, o Rock e a música Pop. A Indietronica está normalmente associada à Chillwave, que se apoia num género mais acústico e relativamente menos electrónico, mas isso depende em certos casos do background de cada artista.

terça-feira, 18 de março de 2014

Experimental rock e Post-rock adicionados aos estilos da Korvustronik


Mais dois estilos que pensamos serem bastante relevantes dentro da Korvustronik...

o Experimental rock, que nos traz novas formas de composição dentro do rock, que variam de artista para artista e que mudam a forma como estes executam os instrumentos, criando assim atmosferas pouco convencionais dentro do estilo com a ajuda de afinações instrumentais alternativas, harmonias e compassos diferentes do comum. É também importante realçar que o Experimental rock incorpora elementos de outros estilos.

Em relação ao Post-rock, começamos por dizer que o estilo recria particularmente texturas sonoras que são exploradas com os instrumentos mais comuns como a guitarra eléctrica, ao invés da criação usual de acordes e podemos também dizer que são usados ritmos para este propósito, tudo para criar atmosferas únicas e timbres que fazem deste estilo musical único. As bandas de Post-rock costumam ser (na maior parte) instrumentais, pois esse é um factor típico.

terça-feira, 25 de fevereiro de 2014

Shoegaze e Nu gaze adicionados aos estilos da Korvustronik



O Shoegaze é um estilo originário dos anos 80 que provém do rock alternativo e que posteriormente evoluiu para o Nu gaze que incorpora novas sonoridades. Nestes estilos os efeitos de guitarra predominam em abundância, em algumas vezes em sintonia com as linhas vocais dos artistas, criando assim uma atmosfera típica. Os My Bloody Valentine foram os percursores do Shoegaze.